Machado & Miranda - Odontologia - (27) 3029-0503 - Vitória - Espírito Santo

Tratamentos

 

 


Porcelanas por Computador - Facetas - Corôas


logo sirona

O que é o CEREC?cerec machadomiranda odontologia

CEREC é um um equipamento odontológico da empresa alemã Sirona, que permite com que o dentista produza inlays/onlays, coroas,  facetas, pontes fixas e próteses sobre implante em uma única visita.

É constituído por um computador acoplado a uma camera intra oral 3D, software e uma fresadora local.

O que CEREC pode fazer?

Dentes com pouca ou extensa destruição podem ser tratados com inlays/onlays e coroas feitas de cerâmicas da cor do dente deixando a restauração praticamente invisível.

Dentes anteriores podem ser melhorados com finas facetas em cerâmica ou se necessário recoberto por coroa.

Coroas antigas com comprometimento estético podem facilmente ser refeitas por uma coroa CEREC totalmente cerâmica.

cerec 3 elementoscerec unitariocerec inlabcerec antes e depois  

Vantagens da cerâmica:

  • Estética.
  • Estabilidade de cor.
  • Biocompatibilidade.
  • Resistência à compressão e ao desgaste.
  • Estabilidade química.
  • Coeficiente de expansão térmica linear semelhante ao do dente.
  • Radiopacidade.
  • Condutibilidade térmica semelhante à do dente.
  • Forte união ao dente através do uso de materiais e técnicas adesivas.

Que materiais estão sendo usados com CEREC?

Feitos pelas melhores e mais reconhecidas indústrias de cerâmicas do mundo, os blocos produzidos para sistemas CAD/CAM tem qualidades físicas superiores as cerâmicas feitas em laboratório.

Dependendo da necessidade individual, seja de função ou estética, varios materiais estão disponíveis.

Para cada material existe uma variedade de cores disponíveis satisfazendo toda e qualquer situação clínica.

bloco emax cadempress cadvita mark II blockcerec block sirona

 

Como se da o tratamento com o CEREC?

preparo cavitário

 

 

Preparo do dente a ser restaurado.

 

escaneamento intra oral

 

 

Escaneamento com a camera intra-oral (moldagem virtual)

 

desenho no computador

 

 

Realização do desenho em computador

 

 fresagem bloco

 

Corte do bloco cerâmico pela unidade fresadora

 

coroa ceramica cimentação

 

 

Acabamento e Adesão (cimentação).

 

 

Quanto tempo dura um tratamento com CEREC?tempo

O tratamento com CEREC é simples pela praticidade e complexo pelo protocolo a ser seguido.

Normalmente leva-se 60 minutos para uma restauração. Multiplas restaurações prolongam o tratamento.

Quais as vantagens do tratamento com CEREC?

  • Menos esforço para o paciente: apenas uma consulta = economiza tempo, material e investimento para ambas as partes.
  • Evita-se a etapa de moldagem, sendo mais confortável e conveniente, sem provisorios gerando maior custo benefício.
  • Ajustes estéticos podem ser feitos na hora aumentando a qualidade estética.
  • O dente preparado não tem sua superfície contaminada seja pelo material de moldagem e cimento provisório.
  • As margens são bem adaptadas e seladas. Como não são necessários provisórios, bactérias não podem contaminar a dentina, proporcionando um tratamento mais seguro.

Desvantagens do CEREC chairside para o dentista:

  • Tempo de aprendizagem;
  • Custo do equipamento;
  • Falta de confiança que o clínico pode ter em utilizar um sistema computorizado;
  • Desmotivação do clínico em aprender um novo conceito que vai requerer treino e prática;
  • Alguns dentistas têm dificuldades em integrar este tipo de tecnologias nos seus consultórios devido a não querer alterar as suas práticas clínicas;  (Trost et al., 2006).

preparo

Quanto tempo dura uma restauração CEREC?

Existem casos com mais de 20 anos de acompanhamento em perfeito estado. Restaurações deste tipo são tão bem sucedidas quanto ouro e o material é consideravelmente melhor do que restaurações feitas com cerâmicas de laboratório.

Estudos de longevidade clínica

Um estudo realizado por Otto (2002), teve como objectivo examinar a performance dos inlays e onlays a nível de qualidade clínica durante um período funcional de 10 anos. Colocaram-se 200 inlays/onlays entre 1989-1991 realiza dos pelo CEREC 1 e observaram-se 187 inlays/onlays após um período de 10 anos. A taxa de sucesso após este período foi de 90,4 %. Foram encontrados um total de 15 (8%) insucessos em 11 pacientes, destes insucessos, 73% tiveram origem na fratura da cerâmica ou do dente, 20% por cárie dentária e 7 % por problemas endodônticos. Conclui-se também que as restaurações de 3 faces eram as que tinham maior taxa de insucesso.

Posselt (2003), realizou um estudo de longa duração (9 anos) com 2328 inlays e onlays elaborados “in situ” com o sistema CEREC e cimentados em 794 pacientes. Todas as restaurações CEREC foram produzidas e cimentadas em apenas uma consulta. No período de 1990-1997 as restaurações foram produzidas pelo CEREC 1, de 1997-1999 as restaurações passaram a ser produzidas pelo CEREC 2, não havendo dados da quantidade produzida por cada um dos sistemas.  A percentagem de êxito ao fim de 9 anos foi de 95,5%, só se perderam 35 restaurações, a maioria por extração do dente portador da restauração devido a problemas endodônticos. Não foi possível apreciar nenhuma correlação entre os fracassos e o tamanho ou o local das restaurações.

Num estudo de Reiss (2006) analisaram-se 1011 inlays/onlays produzidos pelo CEREC1 durante 1987-1990 e colocados em 299 pacientes. A maioria das restaurações foram realizadas em cerâmica VITA MK I e apenas 22 em DICOR MGC. Durante os 18 anos de estudo perderam-se 86 de 1011 inlays/onlays, sendo a principal causa a fractura da cerâmica.

Num estudo realizado por Wiedhahn (2006), foi analisada a durabilidade das facetas e coroas parciais de dentes anteriores realizadas pelo CEREC 1 e CEREC 2 durante um período de 9,5 anos. Foram colocadas 509 facetas de cerâmica em dentes naturais apresentando um sucesso de 94% após 9,5 anos. As facetas de cerâmica produzidas pelo CEREC ou as facetas produzidas em laboratório não se diferenciam a nível de durabilidade a longo prazo.

fixa 3 elementos

CEREC pode fazer pontes fixas?

Sim, pequenas pontes podem ser feitas diretamente ao lado do paciente.

Pontes muito extensas ainda necessitam da moldagem convencional e confecção de estrutura para dar maior resistencia como material de base. (Zircônia)

 

fixas multiplas

 

CEREC pode ser feitos sobre implantes?

Assim como em coroas sobre dentes naturais, podem ser feitas sobre implante.

 

Todos os tratamentos CEREC podem ser feitos sem moldagem?

Todos procedimentos seja um ou múltiplos dentes podem ser feitos sem moldagem. No entanto ao planejar pontes extensas (superiores a 3 elementos) moldagens e modelos ainda se fazem necessário.

A quanto tempo CEREC existe?

cerec evoluçãoEm 1985 as primeiras inlays em cerâmica foram cimentadas pelo Prof. Werner Mormann na suiça. A tecnologia foi introduzida no mercado para dentistas pela Siemens em 1988.

Nos anos 90 a Siemens Dental foi vendida e tornou-se Sirona Dental Company, que continuou a pesquisa e desenvolvimento do CEREC.

Em janeiro de 2009 a quarta geração foi introduzida (CEREC AC e CEREC MCXL).

A última geração de hardware/software, introduzida no Brasil em novembro de 2013, conhecida como CEREC Omnicam, e sedimentou a odontologia virtual como uma prática de qualidade, segura e confiável.

As cerâmicas apresentam uma excelente estética e biocompatibilidade, no entanto, têm sofrido modificações estruturais com a finalidade de torná-las cada vez mais resistentes e poderem ser utilizadas sozinhas como material restaurador, sem a necessidade deserem utilizadas juntamente com o metal.

A tecnologia CAD/CAM (desenho assistido por computador/ fabricação assistida por computador) teve início em 1971, com François Duret, e representa a aplicação da tecnologia computorizada na prática da odontologia.

cerec I cerec II cerec 3                cerec mcxl                cerec omnicam

O CEREC chairside permite a produção mecanizada de restaurações totalmente cerâmicas a partir de blocos homogéneos de cerâmica.

A longevidade das restaurações realizadas com o sistema CEREC apresentam resultados com uma elevada taxa de sucesso a longo prazo.

Para que tipo de paciente o CEREC é vantajoso?

CEREC é perfeito para quem quer preservar ao maximo o dente utilizando restaurações totalmente cerâmicas. A eliminação da etapa de moldagem e provisório faz o tratamento feito com CEREC ideal para aqueles que gostam de tratamentos possíveis de se realizar em apenas uma visita ao dentista.

Numa sociedade em que os padrões de exigência são cada vez maiores, a estética assume um papel muito importante e o fator tempo é cada vez mais valorizado, neste sentido, este sistema é sem dúvida um serviço revolucionário constituindo uma mais valia para qualquer consultório dentário.

Quantos dentistas trabalham com CEREC?

alemanhaNa Alemanha, terra natal do CEREC, mais de 8.000 dentistas tem o sistema. Nos EUA a tecnologia já predomina nas clínicas,usa consultorios, universidades e forças armadas (USA ARMY).

O CEREC tem sua prática consolidada em todos os países desenvolvidos.

 

 

 

 

logo machado miranda odontologiaAv. Américo Buaiz, 501 - Ed. Victoria Office Tower - Torre Leste   
Enseada do Suá               Vitória - ES                
cep: 29.050-911  
55 27 3029 0503          
contato@machadomiranda.com.br 
                                                                           CRO-GO EPAO 771

 

BIBLIOGRAFIA

Ametzl, G. (2006). Different ceramics technologies in a clinical long-term comparison.In:Mormann, W. H. (Ed.).State of the Art of CAD/CA

M Restorations, 20 Years of Cerec.Berlin, Quintessence, pp. 65-72.

Anusavice, K. J. (2003). Dental ceramics. In: Anusavice, K. J. Phillip’s Science of Dental Materials. 11ª ed., USA, Elsevier Science, pp. 655-710.

Baratieri, L. N. (2001). Odontologia restauradora - fundamentos e possibilidades. São Paulo, Quintessence.

Baratieri, L. N. ; Ritter, A. V. ; Andrada, M. A. C. (1994). Estética: Normas Básicas. In:Como melhorar o desempenho das restaurações estéticas diretas?. São Paulo,Quintessence, pp. 36-53.

Bindl, A., Mormann, W.H. (2002). An up to 5-y ear clinical evaluation of posterior in-ceram CAD/CAM core crowns, International Journal Prosthodont, 15(5), pp.451-456.

Buso, L., Miyashita, E, Konno, A. N., Martins, G.R. (2004). Odontologia restauradora computadorizada. In: Miyashita, E., Fonseca, A. S. Odontologia Estética – o estado da arte. São Paulo, Artes Médicas, pp. 636-661.

Conceição, E. N. (2007). Dentística Saúde e Estética. Porto Alegre, ARTMED.

Conceição, E. N.; Sphor, A. M. (2005). Fundamentos dos sistemas cerâmicos. Porto Alegre, ARTMED.

Conrad, H. J.; Seong, W. J.; Pesun, I. J. (2007). Current ceramic materials and systems with clinical recommendations: a systematic review. The Journal of Prosthetic Dentistry, 98(5), pp. 389-404.

Ferrari, J. L. e Sadoun, M. (1995). Classification des céramiques dentaires, Les Cahiers de Prothèse, 89, pp.17-26.

Francischone, C. E. ; Vasconcelos, L. W. (2002). Restaurações Estéticas Sem Metal –Conceito Procera. São Paulo, Quintessence, 2ª edição.

Kelly, J. R., Nishimura I. e Campbell, S. D. (1996). Ceramics in dentistry: historical roots and current perspectives. The Journal of Prosthetic Dentistry, 75(1), pp. 18-32.

Kiyan, O., Bottino, M. A. (2002). Actualização em prótese dentária – Procedimento clínico e laboratorial. São Paulo, Livraria Editora Santos.

Liu, Perng-Ru. (2005). A panorama of dental CAD/CAM restorative systems, Compendium, 26(7), pp. 507-512.

Magne, P. (1996). Facettes en céramique procédure, Les Cahiers de Prothèse, 96, pp. 96-105.

Mörmann, W. H. (2006). The evolution of the CEREC system, Journal of the American Dental Association,137 (9), pp.7-13.

Otto, T.; De Nisco, S. (2002). Computer-Aided Direct Ceramic Restorations: A 10 Year Prospective Clinical Study of Cerec CAD/CAM Inlays and Onlays. The International Journal of Prosthodontics,15(2), pp. 122-128.

Otto, T.; Schneider, D. (2008). Long-term clinical results of chairside Cerec CAD/CAM inlays and onlays: a case series. The International Journal of Prosthodontics, 21(1), pp.53-59.

Parsell, D. E., et alli (2000). Effect of camera angulation on adaptation of CAD/CAM restoration, The Journal of Esthetic Dentistry, 12(2), pp. 78-84.

Pittayachawan, P., McDonald, A., Petrie, A., Knowles, J. C. (2006). The bioaxial flexural strength and fatigue property of Lava Y-TZP dental ceramic, Academy of dental materials,10(2), pp. 220-231.

Polack, M. A. (2006). Restoration of maxillary incisors with a zirconia all-ceramic system: A case report, Quintessence International, 37(5), pp. 375-380.

Posselt, A., Kerschbaum, T. (2003). Longevity of 2328 chairside CEREC inlays and onlays, International Journal of Computerized Dentistry, 6(3), pp. 231-248.

Raigrodski, A. J. (2004). Contemporary materials and technologies for all-ceramic fixed partial dentures: A review of the literature, The Journal of Prosthetic Dentistry, 92(6), pp. 557-562.

Reiss, B. (2006). Clinical results of Cerec in lays in a dental practice over a period of 18 years, International journal of computerized dentistry, 9(1), (abstract).

Ribeiro, S. C. (2007). A Zirconia Tetragonal na Prótese Parcial Fixa totalmente cerâmica de três elementos. Monografia como parte dos requisitos para obtenção do grau de Licenciatura em Medicina Dentária apresentada à Universidade Fernando Pessoa – Faculdade de Ciências da Saúde – Porto.

Shearer, A. C., Heymann, H. O., Wilson, N.H. F., (1993). Two ceramic materials compared for production of CEREC inlays, Journal Dent,21(5), pp. 302-304.

Steyern, P. V. ; Carlson, P. ; Nilnaer, K. (2005). All-ceramic fixed partial dentures designed according to the DC-Zirkon® technique. A 2-year clinical study, Journal of oral Rehabilitation, 32, pp. 180-187.

Studart, A. R. ; Filser, F. ; Kocher, P. ; Gauckler, L. J. (2007). In vitro lifetime of dental ceramics under cyclic loading in water, Biomaterials, 28(7), pp. 2695-705.

Suárez, M. J. ; Lozano, J. F. L. ; Salido, M. P. ; Martínez, F. (2004). Three-year clinical evaluation of In-Ceram Zirconia Posterior FPDs, International Journal of Prosthodontics, 17(1), pp. 35-38.

Touati, B., Miara, P., Nathanson, D. (2000). Odontologia Estética e Restaurações Cerâmicas, Livraria Santos, São Paulo.

Trost, L., Stines, S., Burt, L. (2006). Making informed decisions about incorporating a CAD/CAM system into dental practice, Journal of the American Dental Association,137 (9), pp. 32-36.

Vega Del Barrio, J. M. (1996). Porcelanas y cerámicas dentales. In: Vega Del Barrio, J. M. (Ed.).Materiais en Odontologia. 1ª Edição. Madrid, Ediciones Avances, pp. 439-453.

Wiedhahn, K., Kerschbaum, T., Fasbinder, D. F. (2005). Clinical long-term results with 617 Cerec Veneers: a nine-year report. Int J Comput Den, 8(3), pp-233-246.

Wiedhahn, K. (2006). Cerec Veneers: Esthetics and Longevity. In:Mormann, W.H. (Ed.). State of the Art of CAD/CAMRestoration, 20 Years of CEREC. Berlin, Quintessence, (abstract).

Zimmer, S., Gohlich, O., Ruttermann, S., Lang, H., Raab, W. H., Barthel, C. R., (2008). Long-term survival of Cerec restorations: a 10-year study, Operative dentistry, 33(5), 484-487.

 


Voltar ao início do texto
Mais Tratamentos